quinta-feira, 5 de agosto de 2010

A propósito, de água se trata...mas de outra água

A propósito, de água se trata...

As acções , identificam, elevam, reduzem e/ou dignificam , tão só, quem as pratica…

Muito recentemente, em plena hora do dia, com um sol escaldante e ar abrasador, dois manos, um casal, jovens na adolescência, refrescavam-se num poço, não muito profundo com os seus 40m2, de superfície.
Era intenção deste jovens recrearem-se por uns breves minutos, mas como tudo na vida tem sempre um mas.., um se... e um e…
Eis que, este jovens, no pequeno poço se vêem em dificuldade para saírem da água, isto é, já não saiam, pois a profundidade os engolia e lutam pela sobrevivência, pois a água já era por eles ingerida. Porém valeu-lhes um dos operários que exercia a sua actividade profissional nas imediações.
Este, despido de preconceitos e desprezando os seus haveres pessoais e a sua própria vida não hesitou, pensou ou meditou e, ao aperceber-se da situação, imediatamente se atirou ao poço e resgatou os dois jovens.
A ti, jovem valente e destemido, me dirijo, dando-te um abraço, pois praticas-te um acto generoso e humano, devolveste a alegria ao casal e seus pais, ao mesmo tempo que ficaste com a tua consciência tranquila, pelo acto que praticaste.

Amigo, foste um verdadeiro "leão do rio", não pretendo que sejas elevado ou colocado num pedestal, mas que, publicamente, a autarquia te reconheça o feito.

Um abraço.

Anónimo "

3 comentários:

  1. Uma publicação excelente.

    Quero desde já dar os meus parabéns ao autor deste artigo, pois através da leitura do mesmo eu e outros leitores podemos reflectir acerca dos perigos que podem estar escondidos num breve momento de lazer.

    Aproveito também para mandar um enorme abraço ao operário que, tal como o artigo refere, despido de preconceitos, não hesitou em tomar a atitude que tomou e em salvar duas vidas que não há jamais dinheiro que as posa pagar, para ele os meus mais sinceros parabéns. Gostaria também de felicitar o casal de jovens por esta situação ter corrido bem para eles, não deixando de os alertar para os perigos que podem correr em frequentar poços, rios, praias e piscinas sem vigilância, para eles também um grande abraço e não deixem de se divertir, desde que o façam cuidadosamente.



    Penso que o operário em causa deveria ser reconhecido por todos, e até galardoado, pois no fundo ele foi o herói desta história e se não estivesse no local naquele momento, o pior poderia ter sucedido. Parabéns para ele novamente.


    Penso também que poderiam ser tomadas medidas em relação à vigilância do local em questão durante a época balnear, nomeadamente contratando um nadador salvador ou alguém com capacidades para intervir neste tipo de situações, quanto mais não seja, alguém com a coragem deste operário. Aqui fica a sugestão.



    Parabéns a todos e muitas felicidades.

    ResponderEliminar
  2. Partilho a preocupação.

    Icentivado o pessoal, é necessário dar-lhes condições de segurança, se bem que, cada cidadão deve ser ele próprio a proteger-se e ser o garante da sua segurança, assim sendo, garante a segurança também dos outros.

    A época estival, naquela zona hídrica serão ao todo não mais de 155 horas consecutivas.

    Assegurada a vigilânacia, por individuo devidamnete habilitado(Nadador Salvador), considero desajustado.

    Poder-se-ía recorrer a uma corda colocada a nível da água, circundando 3/4 da área do poço, corda essa presa a argolas, ficando bamba entre cada uma, seria uma solução.

    Como situação complementar a existência no local de uma vara, formando na extremidade uma alça - asela, em aço inox.

    No local, peder-se-ía, alargar a área colocando novo muro a jusante do existente, solicitando comparticipação monetária superior, com a intenção de ser um local de abastecimneto para os "Hélis", empenhados no combate a incêndio.

    ResponderEliminar
  3. Eu também agradeço e elogio a coragem do Domingos, pois acho que o nome dele merece ser referido.

    Carlos Carvalho.

    ResponderEliminar