sábado, 5 de dezembro de 2009

VAMOS JUNGUER AS VACAS



A propósito de um comentário colocado por um anónimo no “post” “vamos iluminar Vila Cova”, alterei a intenção inicial de responder ao comentário passando para um novo “post”.


Dizia o nosso leitor:

"AO CRIADOR DESTE ESPAÇO.

PERGUNTO SE ESTE É O LOCAL ONDE SE POSSA, FALAR, ABORDAR, COMENTAR E/OU SONHAR COM CADABULHOS, SEITAS, TEMÃO, ARADOS, CHARRUAS,
GRADES, TOCOS, CEPAS, SOCOS, TAMANCOS?”

Este é o espaço para falarmos de tudo isso e de muito mais. Aqui podemos, melhor, atrevo-me a dizer, DEVEMOS, falar dessas coisas, e de outras que constituem a nossa história, mas também do presente e da perspectiva de futuro.

Para o nosso leitor, e para todos os outros, se é a primeira vez que vêm a este espaço, hajam como se seu fosse. Escreve, descreva, opine, critique, sugira, só gostava que os que como eu amam a nossa terra, se identificassem, para que os pudesse-mos tratar pelo nome.

Até eu ter criado este pequeno e imperfeito espaço na rede, não havia uma única referencia no espaço cibernético sobre a “nossa” Vila Cova. Para quem não concorda, pode sempre criar outro. No entanto, devemos sempre o respeito às pessoas, que embora imperfeitas, tentam fazer alguma coisa pela sua terra.

Vamos falar sobre as bessadas, sobre as seitas, sobre os socos, sobre o capucho, porque ao falarmos sobre tudo isto, estamos a falar sobre o amor que temos á nossa terra e às suas gentes.

VAMOS JUNGUER AS VACAS,

É o um desafio que lanço a todos quantos visitam este espaço. Divulguem esta iniciativa sugerida pelo nosso leitor. Puxem pela memória, perguntem, escrevam e enviem a vossa descrição sobre as várias actividades e porque não, sobre as lendas da nossa terra. Nós, faremos a revisão se for o caso, e publicaremos inicialmente neste espaço, ou em outro que surgira brevemente, assim espero. Quem sabe não escreve-mos um livro, nem que seja electrónico.

(Nota: ao que nós chamamos "junguer" as vacas, alguns autores chamam "jungir" e outros "junger". Parece-me no entanto que devemos efectivamente manter a nossa denominação.)

3 comentários:

  1. Junger???Não seria junguer?????


    =D

    ResponderEliminar
  2. Saudaçoes a todos os participantes deste espaço,
    Sobre este assunto lembro que muitas coisas tradicionais ja nao se usam, pelo que e necessario preservar as que ainda restam. Em muitas casas, palheiros e lojas de animais estao utensilios velhos e a apodrecer. Quem ainda se lembra de um mongal, nao sei se e assim que se escreve, de um traçador ou de uma dobadoira. Eu sei que ha gente bem mais velha que se lembra de outros utensilios. Pois bem, era bom fazer um levantamento de todos e preservar pelo menos um de cada. Tambem era bom recolher fotografias de carros de estrume, seco e curtido, feno e lenha, de uma desfolhada ou alguem a picar castanhas, enquanto há.
    Um abraço a todos,
    Carlos Carvalho.

    ResponderEliminar
  3. As iniciativas, eventualmente, aqui afloradas, sobre Vila Cova, sejam elas quais forem são de louvar.

    É um facto, a língua é, por exelência, a identificação de um povo.

    Porém como na aldeia eram poucos os letrados, claro, tirando o padre que, dada a sua instrução, teve na sua aprendizagem do português a essência da nossa língua, o latim e o grego, fonte de origem da maior parte dos nossos vocabulários, daí que, muitas vezes fala-se, tão só, de ouvido e não de leitura.

    Não podemos esquer os termos, regionalismos, neologismos e estrangeirismos...

    Penso que, com o acesso às novas tecnologias internet, não será dificil, pesquisar os verdadeiros termos que utilizamos na nossa terra.

    Mas não saindo do trilho dos comentários anteriores, seria bom que o autor do blog, colocasse um "TEMA" e então todos procurassem descrevê-lo, recorrendo aos conhecimentos próprios e dos familiares com mais primaveras...

    Por ex:
    Moinho - mós, cubo.....
    Carro das vacas - chavelha,cabeçalha...
    Linho - ripeiro, maçadoiro estrigada...
    Apeiro - jugo, corneiras...
    Arado - rabiças, aiveca,temão..
    Bessada - Descrecer todos os pormenores, mesmo com uma narrativa....
    Matar o réco....

    Jungir, mangual, afigura-se acertado..


    Claro, tudo isto seria mais fácil, se " Miguel Torga", andasse com a vezeira de Vila Cova.

    ResponderEliminar