domingo, 18 de dezembro de 2011

Festa de Natal 2011...em Vila Cova

Realizou-se no passado dia 16 de Dezembro em Vila Cova a já tradicional Festa de Natal organizada pela Junta de Freguesia de Vila Cova.

A Festa iniciou-se pelas 18:30 horas com um lanche convívio e seguiu-se pela noite dentro com vários espectáculos. Os primeiros a brindar-nos com a sua também já tradicional visita foram a companhia de teatro Urze que nos apresentou a sua peça “Os Saltimbancos” prosseguindo-se a actuação do Grupo de Cantares de Vila Cova. Seguidamente o Grupo de Jovens de Vila Cova apresentou um pequeno espectáculo de humor musical intitulado “Os Brisa do Lapedro” em que os músicos pretendiam imitar algumas pessoas da nossa aldeia. A noite continuou com a chegada do Pai Natal e actuação do Grupo de Fados de Vila Cova.

Foram algumas horas bem passadas na companhia das nossas gentes.

O balanço foi positivo e esperamos com a ajuda de todos poder voltar para o ano para alegrar novamente a nossa população.

Gostava de deixar também aqui não só uma palavra de força mas também um pequeno agradecimento à nossa presidente Sara Marinho por toda a paciência dedicada à encenação de todos os espectáculos realizados pelo Grupo de Jovens de Vila Cova durante estes três anos e transmitir-lhe a mensagem de que sem ela os nossos espectáculos não eram possíveis, portanto esperamos poder a continuar com ela em espectáculos futuros e, em nome de todos, pedir-lhe desculpa por alguma situação que se tenha sucedido, não foi certamente mal intencionada.

Um muito obrigado a todos aqueles que nos ajudaram, desde a Junta de Freguesia de Vila Cova, a população em geral, bem como os Jovens de Vila Cova que ainda continuam connosco, que fazem por vezes enormes esforços para comparecer aos ensaios e às festas e não deixam que nada os faça desistir, apesar de poucos somos muitos, e somos os suficientes para não deixar morrer a alegria na nossa terra. É por saber que podemos contar sempre convosco que continuamos a lutar e sei que sem vocês nada disto seria possível, lembrem-se que apenas juntos conseguimos…

Vejam o vídeo do nosso espectáculo e todos os nossos outros vídeo na nossa conta do youtube.

Cumprimentos a todos.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Convite para a Festa de Natal


À semelhança do que vem acontecendo nos últimos dois anos, a Junta de Freguesia vai levar a efeito a festa de Natal, para a qual convidada todos os habitantes e amigos de Vila Cova.

Vessada



Decorria o mês de Maio, primeira quinzena, por sinal, não muito chuvoso, talvez por ser ano bissexto, já pairava no ar o cheiro característico do estrume da loja das vacas, ao mesmo tempo que, aqui e ali, se ouvia o cantar do carro das vacas, tal era a “muleta” carrada de estrume colocado nas caniças (cantar para 23 montes), assim como se ouvia uma ou outro brado “laaaavroooooooooooouuuuu “, característico do findar de uma vessada.
O quinto mês do ano é, por excelência, na nossa zona o mês da azáfama das vessadas. Uns de manhã, outros de tarde, uns com mais ou menos pessoal, lá vão lavrando a terra a fim de fazer as suas sementeiras (plantar batatas, semear o milho, feijões, linho, dispor couves, e os demais produtos hortícolas - cebolo, alface, tomatas…). 
Vive-se na aldeia, não um regime comunitário propriamente dito, mas sim o de entre ajuda, isto é, serviço paga serviço (retada), quer seja ou não da mesma natureza. 
O Tio Aparício, lavrador da terra com alguns bocados, todos os anos e após concordância dos seus compadres e amigalhaços, marca para si, o dia da sua grande vessada, para que assim e numa só tarde torne negras suas propriedades “Eido de Cima”, “Leira do Meio” e “Campo do Fundo”, anteriormente terras de pasto. Homem, conhecido e estimado na terra, todos gostam, cada um à sua maneira de comparecer no seu serviço, voltas da lavoura, independentemente de receberem, posteriormente, retada ou não. 
Em casa deste lavrador, tudo era preparado ao pormenor e com a devida antecedência. O forno cozia o seu alqueire de milho, desta vez a massa levava uma percentagem maior de centeio para que ficasse mais saboroso e macio. À meia pipa faltava um almude. O fiel amigo, bacalhau, já estava de molho há dias. As azeitonas, já estavam curtidas. As enxadas, ganchos, picareta e engaço, forquilha (forcalha) e foice, foram devidamente, encabadas, para suportarem o esforço de quem lhes quiser dar uso.
Dado que os palmos de terra ainda são extensos, o Sr. Aparício e filhos, já tinham limpo, as bordas, os regos, os cantos e cômoros (combros), feito os cadabulhos (área de terreno que se lavrava primeiro e perpendicular ao rego principal, com uma largura adequado que desse para as vacas darem a volta e o “lavardor” virar o arado e voltarem ao rego), espalhado o estrume, quer o da meda, pois este ano na loja não havia muito, para isso contribuiu a falta de bezerros e ajeitados os caminhos e portais, para que o acesso às propriedades ficasse facilitado. Serviço feito directamente sob a sua orientação, pois só ele sabe quando e como fazer.
O carro das vacas já estava devidamente apetrechado com o arado e chave inglesa, a grade, o cambão, o temão, adubos químicos, cabaça e pipo, cheios com o madurão do ano e roupa de agasalho pois as tardes ainda eram frias e ao anoitecer eram indispensáveis. Embora os outros lavradores levassem os seus apetrechos para a faina agrícola, cabe ao dono da vessada disponibilizar a maior quantidade de utensílios.
Como não podia deixar de ser e a fim de melhor se aproveitar o tempo, no dia da vessada o jantar , assim se entende por almoço, foi servido mais cedo e reforçado, isto é, de mais sustento, orelheira cozida, caldo de feijões com couves, quase que o garfo fica de pé, dada a espessura da sopa, sendo o presigo (apresigo), massa com feijões. Trata-se de uma refeição pesada em calorias, para que melhor se poder manusear as alfaias agrícolas e aguentar a pinga, pois sem ela a enxada não anda. Foi no almoço que Ti Aparício, deu as orientações sobre o serviço; onde se começava a lavrar, qual o milho e feijão a lançar à terra, qual o local destinado à plantação de batata, sua qualidade e quantidade e hora do pão e vinho ao rego… 
Findo o almoço, “apostas” as vacas ao carro, tendo estas também uma manjedoira mais farta e apropriada ao esforço que iriam despender, Sr. Aparício toma a dianteira em chamar (guiar as vacas) e lá vai todo prosa de botas novas, pois os socos nas vessadas não eram muito aconselháveis, com a vara ao ombro, chapéu a tapar os seus reduzidos cabelos, aproveitava para trautear a canção da “Ó Laurindinha vem à janela…”. 
Chegados à primeira propriedade, “Eeido de Cima”, “desapostas” as vacas, estas são as primeiras a serem colocados ao arado, por serem umas vacas grandes, valentes e puxarem direitas. Estas vacas causavam inveja na aldeia e arredores, além da valentia reconhecida, “ lavravam sem ninguém diante”, não eram ladras, não saltavam portais, muito mansas (não escornavam) e qualquer criança as guardava no pasto. Para o Ti Aparício o único defeito, que elas tinham, era não pegavam muito bem no boi.
Iniciada a lavra, Ti Aparício chama as vacas, sem que, primeiramente, se benzesse e rezasse, pare si as suas preces. O filho mais velho, homem conhecedor das lides da lavoira (laboeira), saia à cepa, agarra-se às rabiças do arado pois seria este, todo o dia, o seu fadário
Assim, com calma e saber, são dados os primeiros regos.
Embora já tenha chegado uma ou outra pessoa, e vêem-se outras a caminho, TI Aparício, homem respeitado e respeitador, sempre bem disposto e tendo, em tempos idos, feito parte da banda musical da
região, atravessado as águas do mar e passado fronteiras europeias, soltou um dos seus berros característicos e muito peculiar . 
”Óóóóóóóóó povo ingraaaatoo…., vamos lá…vamos lá…!!!!!!” 
A tarde estava solarenga, a aragem que corria não anunciava geada o lavrado já é bastante, a gente já está composta as juntas de vacas, soltas, vão andando de lado para lado, ora no lavrado ora no monte (assim se designa o que falta lavrar) é a hora do Ti Aparício orientar o serviço para que consiga lavrar os seus bocados e acabar ainda com dia (com de dia).
Assim, divide o pessoal que ele bem conhece, pois das lides da lavoira sabe ele, as juntas de vacas, para que se lavre o “Eido do Meio” e se juntem todos no “Lameiro do Fundo”, por sinal o maior. 
Rego após rego, o campo agrícola vai ficando cada vez mais negro, quer no “Eido de Cima” quer no ”Eido do Meio”. O pessoal vai cavando a seita, demonstrando a sua agressividade e persistência física, fá-lo ao correr do rego, ora num sentido, ora noutro, até que encontre o que vem no sentido oposto, formando assim um par. A distância entre cada par é sensivelmente igual dada a força do hábito.
Ti Faustino, compadre do Ti Aparício e homem da lavoira, comprou uma junta de vacas, à pouco tempo e não sendo sua intenção coloca-las ao arado, nem ao cambão, pois poderiam ficar a contar estrelas, se isso acontecesse seria o “bombo” da festa, então, colocou-as à grade sendo ele o “ candeeiro “, enquanto um seu neto vai para o rabo (corda) e assim começa o seu rumo no aligeirar a terra, pois ao cavar ela fica aos altos e baixos. Serviço que vai fazer nos três bocados. De realçar que o agradar, embora sendo serviço leve, era rejeitado por todos, dado que a junta de vacas a utilizar, ou eram vagarosa, ou era uma vaca e uma toira, duas 
toiras a amansar. Era um serviço um pouco ingrato, se bem que, quase sempre findo o lavrar, ainda era necessário continuar, por vezes mesmo depois da merenda.
Ti Teodoro, homem de saber e de experiência feita em todas as vessadas onde ia, cabia-lhe semear o milho e feijão, recorrendo-se para o efeito do avental de tomentos da Tia Rosa, dona de casa. Ele, passo a passo lá vai calcorreando terra, sem que, uma vez ou outra e junto das moçoilas ali presentes atire os gãos de milho contra as pernas destas, forma de as provocar, ao mesmo tempo que elas, no seu íntimo, se sintam lisonjeadas com tal procedimento.
Assim, mantido o ritmo e sem canseira, quatro horas depois, estão lavrados os “Eido de Cima “ e “ Eido do Meio”, juntando-se agora, todo o pessoal e juntas de vacas, no ”Lameiro do Fundo”. Dado que estão dados os primeiro regos e como este lameiro é o mais extenso, o pessoal já está um pouco fatigado é necessário retemperar forças. Assim e sem que o pessoal saia dos seus lugares é dado “pão e vinho ao rego”, isto é, pão, azeitonas e vinho. As filhas do Sr. Aparício, moças já feitas, ao longo do rego, passam pelas pessoas oferecendo pão, azeitonas, enquanto um dos seus netos, ainda jovem para assumir quaisquer lides da lavoira, leva o pipo de três litros. 
É nesta altura o momento ideal para trocar as vacas do arado. De realçar que algumas pessoas, sem saírem do local, improvisam o seu próprio banco. Colocando, cada um, o cabo da enxada, junto ao olho da outra enxada e os cabos servem de assento.
Feita a pousa e tendo-se aconchegado o estômago, recomeça-se o trabalho, agora um pouco mais penoso, pois o corpo arrefeceu. Dona Rosa, que trata das lides de casa e tendo a filha mais nova como ajudante, já tem em seu poder o número de pessoas que andam na sua vessada, para que assim possa fazer a merenda a sobrar e nunca a faltar.
O dia vai correndo o Sol já está a decair, o lavrado não é muito dado a extensão do terreno, Ti Aparício, depois de falar com o compadre Ambrósio, resolve colocar uma junta ao cambão. É neste momento que chama o Lúcio, filho do Tibúrcio, rapaz, esguio, astuto, vivo e com provas dadas no tanger as vacas, mantê-las no rego e dar a volta sem que fique molestado, para que ele vá para o meio das duas juntas, isto é, chamar as do arado e tanger as do cambão. Este, não muito satisfeito, pois sempre que aparece lhe toca este serviço, pois uma vez ou outra, já ficou entalado entre as molhelhas de umas e o rabo de outras. Lúcio lá concordou com a imposição, outro remédio não tinha, ao mesmo tempo que fica de moral elevada pois é distinguido com tal mando, na presença de outros da sua idade, presentes.
Com as duas juntas de vacas, a vessada trás outra animação, Teodoro o tangedor, homem habilidoso e conhecedor quer das voltas da lavoira, quer de vacas, além de retirar os estrume acumulado momentaneamente no arado, para que ele não desferre, tem que tanger as vacas de modo que elas se mantenham no rego e não apertem o Lúcio. Acontece, por vezes, que se as vacas do arado, não forem valentes, firmes e bem tangidas, leva a que o das rabiças, se zangue, exalte e desabafe ditos menos próprios, pois vê o seu orgulho de lavrador ferido, ao mesmo tempo que o pessoal da seita, dele fazem chacota ,não lhe atribuindo no final o ”ramo de lavrador ”, dito, em forma de recompensa pelo seu bom desempenho. 
O Inesperado aconteceu.
Lá foi bico do arado!!!!
Tudo decorria como planeado e eis que, uma pedra mais saída e resistente, fez com que se tivesse partido o bico do arado. Ti Aparício manda o Tibério, rapaz corpulento, possante e vaidoso, buscar o arado que tinha ficado no ”Eido do Meio”. Este, por suas vez, lá foi e, algum tempo depois aparece, com ar de poderoso e magnifico, com o arado aos ombros. 
Diga-se que um arado pesa próximo a duas arrobas, porém não é difícil o seu transporte, a melhor maneira de o fazer é aos ombros e consiste na forma de equilíbrio; bico num ombro, aiveca (abeca) no outro e rabiças na direcção das costas. 
 Ti Tonico, homem de ditos, esperto , sempre atento e calculista, mas não muito trabalhador, ao partir-se do bico do arado, exclamou:
“Oh Aparício, lá vai o ganho do ano e um alqueire de milho”
Era este por esse meio que se pagava o bico do arado, na loja de ferragens mais conhecida, permuta de géneros. Leva-se um alqueire de milho e trazia-se o bico do arado que era de ferro fundido. O bico do arado parte facilmente, pode acontecer mesmo ao manuseá-lo (mudá-lo de sítio, coloca-lo ou descê-lo do carro das vacas).
O arado, dada a sua construção e configuração, ora deita a seita para a direita, ora deita para a esquerda, sendo necessário no fim do rego e ao dar a volta, o “lavrador” fazer girar a aiveca sobre ela própria, ao mesmo tempo que coloca um gancho no orifício da própria aiveca, fazendo com que esta se mantenha firme.
Substituído o arado e ajustando-se o regulador de profundidade, recorrendo-se à chave inglesa, pois este arado lavrava um pouco mais alto, a faina continuou, a tarde vai caindo, o Sol vai desaparecendo e Ti Faustino continua a agradar a terra com a sua junta de vacas, mas Ti Aparício apercebendo-se que o terreno a agradar é bastante, chama o Ti Anacleto para que, com as suas vacas, deita mais uma grade o que aconteceu.
De referir que tinha sido esse o seu trabalho no ”Eido do Meio”. Lúcio continua no meio das vacas, por mais uns regos, pois já se está quase a chegar à estrema do lameiro, não se justificando assim, continuar com duas juntas.
Como o “Lameiro do Fundo” não é muito rectangular, a borda de cima começa a ser feita primeiro. Assim sendo, a cada seita virada mais encurta a distância em direcção ao fundo e o corte fica mais pequeno.
Ti Aparício, aproveita para, no lavrado, plantar dois cestos de batas da “Kenebec” a terra não é muito apropriada para este tipo de renovo, dado que soprem mais em terras menos húmidas.
Mais três/quatro seitas, a vessada termina e eis que, sem qualquer linha de orientação ou combinação, o pessoal em uníssono gritou:
“ Laaaavrrrrooouuuu …….. Laaaavvvvroooooouuuuuu”.
Tia rosa, no lameiro ao lado, único espaço verde e nas toalhas de linho que reluziam mais pareciam espelhos a reflectir o Sol, já tinha a merenda posta, a qual transportou no seu encantado e belo, açafate de vimes; bacalhau, uma posta para cada pessoa, pão, azeitonas, vinho ( garrafão, pipo, e cabaça,). Como o pessoal estava com cerimónias, talvez devido ao cansaço e mãos não muito limpas devido à transpiração e algum pó acumulado, embora um ou outro as tivesse lavado no rego de água, que a centímetros corria, não se chegavam muito à tolha. Então as filhas da Tia Rosa, andavam de lado para lado com a travessa do bacalhau, cesta do pãoe alguidar das azeitonas.
E o pessoal lá ia mastigando, sem que, aqui e ali, um ou outro conversasse de outras vidas e acertassem e/ou comentassem o dia de outra vessada.
Como os da grade ainda não tinham terminado, Tia Rosa, por eles chama:
“ Oh da grade vinde cá … acabai por agora.”
Responderam: 
“ É só mais uma volta.” 
Minutos depois estavam todos juntos a saborear a merenda, que bem mereceram.
Corria de mão em mão o garrafão, cabaça e pipo, mas Ti Tomás não gosta muito de beber pelo pipo, nem pela cabaça isso é para as mulheres. Segundo ele, ainda não lhe apanhou a manha de beber do pipo e/ou cabaça, pois é preciso, ao colocar a boca no orifício soprar, ligeiramente, para que o vinho saísse um pouco mais, caso contrário seriam só lágrimas…
Benjamim, mancebo já apurado para a tropa, lá teria as suas intenções amorosas e sem que a sua distinta se apercebesse coloca-lhe no picho, uma espinha de bacalhau que mais parecia uma travessa do cabelo. Era um meio de se aproximar e de lhe manifestar o seu agrado, mas ela mostrava-se desinteressada. 
Uma ou outra pessoa vai-se levantando, procura a sua própria ferramenta e abandona o lameiro. Por sua vez, os homens continuam por mais algum tempo a sua conversa, por vezes já repetida. Tio Aparício para ele, além do serviço, era dia de por a conversa em dia, sobre a lavoura, adubos, feiras, compra e venda de gado, crias. Já com o golo a mais do que o habitual, pede à Tia Rosa os cigarros a fim de ofertar aos seus amigos e compadres, àqueles que desse vício sofriam, se bem que, ele não tinha isso por costume.
Tia Rosa ia-se despedindo ora de um, ora de outo com:
“bem-haja depois lá vamos para as vossas”.
Tio Aparício, continuando na cavaqueira com os compadres dá a vessada por finda ao mesmo tempo que instrói os de casa para arrumarem os utensílios, levarem e pensarem o gado, já que as tornas, embelgas, e volta ao milho faz-se noutro dia ( com o agradar há muito grão de milho, que fica a descoberto, daí que, depois e com auxilio de um “someto” (pau geralmente de urze, afiado na ponta e com um punho) se enterram , o suficiente para germinarem.
De salientar que, na ida para a vessada o pessoal vai mais individualizado e conta goats, no regresso vêm mais junto, daí que, embora agastados fisicamente, caminham de espirito altivo e alegre eventualmente, associado ao calor humano, juventude, companheirismo, estímulo do dever cumprido ou pingoleta, entoam diversos cânticos; “ Ó Laurindinha….”, Ó Rita arredonda a saia”… “Ó malhão”….”Ó Manel das rolas..”
Assim, desta maneira eram feitas as vessadas na minha terra. 

(Este texto está publicado em comentário à mensagem, "vamos novamente jonguer as vacas", mas pela sua importância o moderador resolveu publica-lo em poste)
Os nossos agradecimentos ao autor.